Longin no Blog Aqui

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Justiça extingue processo contra delegado Agenor Freitas

A Justiça decidiu extinguir o processo no qual um delegado da Polícia Civil era acusado de crime de desobediência. O caso veio à tona quando o Ministério Publico Estadual da Comarca de Iguatu (384Km de Fortaleza) ingressou com a ação judicial alegando que o delegado Agenor Freitas de Queiroz, titular ds unidade regional daquele Município, teria deixado de acatar vários pedidos do MP. Conforme o procedimento, o delegado havia deixado de responder a diversas requisições do próprio Ministério Público, bem como dos juízes da Comarca, o que estaria causando prejuízos para o esclarecimento de casos objeto de processos judiciais. Recurso No entanto, o delegado ingressou com um pedido de habeas corpus para a extinção do processo. A Associação dos Delegados da Polícia Civil (Adepol), através de sua assessoria jurídica, decidiu recorrer contra a decisão do MP.A defesa decidiu então, impetrar o habeas corpus alegando que, como funcionário público, o delegado não poderia ser processado por crime de desobediência, visto que tratava-se de crime praticado por particular contra a Administração Pública. Delegado Agenor Freitas de Queiroz foi processado pelo MP, que alegou casos de desobediência - FOTO: divulgação Durante a sessão de julgamento, realizada pela Primeira Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Ceará, os advogados da defesa, Leandro Vasques, Holanda segundo e Afonso Belarmino, alegaram que a Delegacia Regional de Polícia Civil de Iguatu é a responsável pelos trabalhos de Polícia Judiciária que abrangem mais de uma dezena de Municípios do Centro-Sul. O delegado alegou em sua defesa que na unidade não há contingente suficiente de inspetores e escrivães para atender a contento toda a demanda policial, fato que vem sendo denunciado constantemente pelos representantes da categoria. Dois dos magistrados que participaram do julgamento do recurso afirmaram que já haviam oficiado em cidades cujo delegado Agenor de Freitas trabalhou e que ele sempre foi atuante e operacional. Com a decisão, a ação penal foi extinta. Diário do Nordeste
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

faça aqui seu comentarios sobres materia postadas.

Quixelô FM 104,9

Nosso Facebook

Seguidores

Meus Blogs

As Mais Lidas do Mês

De Onde nos Visitam