Longin no Blog Aqui

quarta-feira, 28 de março de 2012

Capital tem 268,5 mm de chuva, a segunda mais intensa em 15 anos

Quatro famílias ficaram desabrigadas, segundo a Defesa Civil; 114 ocorrências foram registradas em 19 horas

Quem circulou em Fortaleza, na manhã de ontem, de carro, ônibus, moto ou bicicleta, enfrentou um verdadeiro caos. Esse cenário foi provocado pela chuva de 268,5 milímetros registrada de 2h40 às 15h. Foi a segunda precipitação mais intensa da Capital, perdendo apenas para a do dia 24 de abril de 1997, quando choveu 270,6 mm.

Segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), até o começo da manhã (7h), choveu 197,5mm, a segunda maior precipitação acumulada em 24 horas que se tem notícia na Cidade desde 1974. A maior ocorreu no dia 29 de janeiro de 2004, quando foram registrados 250 milímetros de água.

Em 19 horas, a Defesa Civil registrou 114 ocorrências. Quatro famílias, que moravam nas margens do Rio Maranguapinho e no bairro Vila Velha, ficaram desabrigadas na Capital, segundo o coordenador do órgão em Fortaleza, Alísio Santiago.

Ainda conforme a Defesa Civil do Município, a grande quantidade de água gerou 85 pontos de alagamentos, 61 inundações, 13 desabamentos, 15 riscos de desabamentos, cinco incêndios e um risco de incêndio, totalizando 180 ocorrências até as 17h de ontem. A situação mais crítica era a dos bairros da Secretaria Executiva Regional (SER) III, com 70 ocorrências. Destas, 18 foram registradas no bairro Quintino Cunha, 13 no Dom Lustosa e sete no Antônio Bezerra.

Em segundo lugar, com 47 ocorrências, estão os bairros da SER V, que também foram bastante prejudicados. Destas, 23 foram registradas somente no Genibaú, próximo às margens do Rio Maranguapinho, o lugar mais atingido pela chuva.

Segundo a Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania (AMC), 13 semáforos, localizados em cruzamentos de intenso tráfego, como Av. Santos Dumont com Av. Desembargador Moreira e Rua Oswaldo Cruz com Av. Pontes Vieira, apresentaram falhas, deixando o trânsito ainda mais lento. A AMC deslocou agentes que orientaram o trânsito e técnicos para resolver os problemas.

Surpresa

Segundo Alísio Santiago, a chuva de ontem não era esperada. Conforme ele, a previsão para todo o mês de março era que chovesse, na Capital, apenas 223 milímetros.

Santiago explica também que os alagamentos podem ter sido gerados por vários motivos. Um deles é que Fortaleza está situada em três bacias importantes: Maranguapinho, Cocó e a vertente marítima, as quais incidem diretamente na maneira como a Cidade é organizada.
"Foi preciso utilizar muito asfalto e cimento para a construção de Fortaleza, além de assorear todos os rios e lagoas. Isso proporciona o maior número de inundações", destaca.

De acordo com ele, o maior número de ocorrências foi registrado no Genibaú devido ao transbordamento dos afluentes do Rio Maranguapinho. "Eu avalio que esse grande volume de água ocorreu devido às precipitações em todo o Estado. Muitos recursos hídricos são desobstruídos, então, a parte da Cidade que não tem drenagem proporcionou um grande volume de água para as calhas", ressalta. Para resolver os problemas, a Defesa Civil disponibilizou 12 equipes nas ruas com 60 agentes, além de 38 profissionais da Guarda Municipal e dezenas de fiscais das Regionais.

Ainda conforme o coordenador da Defesa Civil, na Capital, existem ainda muitos locais propícios a alagamentos, um total de 89 áreas de risco.

Por outro lado, ele ressalta que essas localidades estão sendo eliminadas e as famílias, remanejadas. "Tínhamos, em 2005, 105 áreas de risco. Hoje, temos 89 e, até o fim deste ano, estaremos erradicando mais 16 áreas", ressalta.

Para evitar os transtornos, ele afirma que a Defesa Civil do Município, em 2011, começou a limpeza de todos os canais e lagoas da Cidade. "A Prefeitura faz a limpeza e, por incrível que pareça, as pessoas continuam colocando lixo", lamenta.

Causas


Segundo o meteorologista da Funceme, José Maria Brabo Alves, a explicação para a chuva é a zona de convergência intertropical, o principal sistema atmosférico que causa o fenômeno na região. O evento é mais comum nos meses de abril e maio. Brabo ressalta que, por Fortaleza estar próxima à costa, há maior formação dos aglomerados de chuva.

O meteorologista destaca que havia uma previsão de chuva no litoral ontem, mas não com essa intensidade. Conforme ele, a previsão é que o tempo chuvoso se mantenha por 24h. "Deve ficar nublado sujeito a chuva, pelo menos até amanhã (hoje), com chance de chuva na região litorânea", conclui.

Problemas


12 equipes da Defesa Civil, com 60 agentes, foram às ruas para resolver as ocorrências da Cidade, além de 38 guardas municipais e dezenas de fiscais das regionais

89 áreas de risco existem em Fortaleza, segundo a Defesa Civil. O órgão promete que, até o fim deste ano, 16 serão erradicadas

KARLA CAMILA
REPÓRTER
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

faça aqui seu comentarios sobres materia postadas.

Quixelô FM 104,9

Nosso Facebook

Seguidores

Meus Blogs

As Mais Lidas do Mês

De Onde nos Visitam