Longin no Blog Aqui

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Casos da doença superam os de 2011 03.12.2012

Levantamento da Secretaria da Saúde aponta crescimento da incidência a partir de 2010 Informação e diagnóstico precoce são os responsáveis por evitar mortes, em especial, provocadas por doenças consideradas graves, a exemplo da meningite. Dados do último boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), divulgado no dia 20 de novembro, revelam um aumento de 6,6% no número de casos da doença em relação ao ano passado. A antimeningocócica C, que deve ser administrada em crianças aos três, cinco e 15 meses, está no calendário básico de imunizações Foto: Natinho Rodrigues Apenas neste ano, 80 pessoas, 54 em Fortaleza, já foram infectadas em 22 municípios, cinco casos a mais que os registrados em 2011. O levantamento da Sesa evidencia, ainda, o crescimento da incidência do problema a partir de 2010, período no qual foram realizados 31 diagnósticos positivos de meningite. Para Manoel Fonsêca, coordenador de Promoção e Proteção à Saúde da Sesa, a situação é de equilíbrio, podendo este ser comprovado com o número de óbitos: 17 no total. Em 2011, foram 20 mortes. "De quatro em quatro anos, notamos um certo aumento de casos da doença, depois a incidência retorna a normalidade, já que temos meningite o ano inteiro, sendo transmitida por vírus e bactéria", analisa. Segundo o especialista, a variação acontece devido às ações de imunização, que, com o passar dos anos, foram ampliadas. "As crianças nascidas a partir de 2010 já começaram a ser vacinadas contra Meningite Meningocócica tipo C. Então, a tendência é que os contágios sejam reduzidos conforme as prevenções. Mas vai levar um tempo para notarmos essa diminuição do tipo C", afirma. Tipologias graves da doença, como a meningocócica, podem levar a óbito em até 48 horas, caso o diagnóstico não seja realizado rápida e corretamente, pois a bactéria compromete órgãos importantes. "No Interior do Estado, é comum a transferência de pacientes para a Capital sem informações concretas sobre o problema, agravando o quadro. Assim, os profissionais precisam estar capacitados a fim de lidar com a doença", comenta Fonsêca. Contágio O bloqueio de transmissão da meningite é outra iniciativa a ser feita nas situações de contágio. Indivíduos próximos àqueles infectados precisam estar imunizados em um curto intervalo de tempo. Dentre os sintomas da patologia, estão febre alta, forte dor de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. Apesar de o alerta contra a contaminação ser realizado durante todo o ano, os períodos de chuvas merecem maior atenção, tendo em vista a baixa umidade e a consequente aglomeração de pessoas. "Nestes meses, há crescimento na incidência da meningite, assim como de dengue e doenças respiratórias. Por isso, estamos preparando um livro de orientação dedicado aos profissionais da saúde com informações importantes", revela. Está disponível no calendário básico de imunizações a vacina antimeningocócica C, que deve ser administrada em crianças aos três, cinco e 15 meses. JÉSSICA PETRUCCI
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

faça aqui seu comentarios sobres materia postadas.

Quixelô FM 104,9

Nosso Facebook

Seguidores

Meus Blogs

As Mais Lidas do Mês

De Onde nos Visitam